As palavras dos outros...

De nada vale tentar ajudar quem não se ajuda a si próprio. "Confucio"

terça-feira, 18 de agosto de 2009

Poema sem brilho



Na escuridão da noite
Vi o brilho do cigarro
Pela primeira vez os seus olhos
Não brilhavam na escuridão,
A lua ofuscava, tanta era a luz.
O seu rosto pálido
Parece passar provação
Dificuldades e incertezas
Quanto a coração alheio.

São agora males infligidos
A outrem que prova

Naquela escuridão lembrou
Quantas vezes a abraçou
Quantas vezes a amou
Quantas vezes a beijou
E de quantas vezes desejou
Que aqueles momentos
Fossem uma foto eterna.

Vi a sua tristeza naquela hora
De cabelo apanhado e sem chama
Mas como quem ama perdoa
Naquele momento quis dar-lhe o seu calor
Fazê-la sentir que há mais mar
Em outros oceanos e mais mundos.

Naquele momento quis dizer-lhe
Num sussurro tão costumeiro
Coisas doces e verdadeiras
Naquele momento acordou e pensou:

“Este é um filme terrível, não desejado,
um final esperado, a ausência de alma”.

11 comentários:

sonhos disse...

Foi apenas um sonho, beijinhos

Anónimo disse...

Sonhos? Pesadelos? Realidade?
Seja o que for,
É uma ansiedade brutal

Quero mais, preciso de mais
tenho sede..., tenho fome..., tenho medo e tristeza...,
nada me satisfaz,
Procuro e não encontro
Tudo é insuficiente, nada me acalma, nada me sossega, nada me chega, já nada me faz sonhar.
O brilho foi-se e nunca mais será igual

Ai que sede...
E saciá-la?
Não quero morrer de sede jamais!

CátiaSofia disse...

Mesmo em sonhos deve doer muito ver alguém a sofrer e não poder fazer nada mesmo que isso não passe de um sonho:D

Gostei, tao lindo e ao mesmo tempo tão triste.


Beijo!

Anónimo disse...

Há tanta coisa sem brilho que até dói

Anónimo disse...

Gostava de conseguir perceber porque sofres, se é por mim, se é por ti, se é por nós ou se é por outrém!

Shui disse...

Sofrimento ou constatação da realidade?!
.
.
.

Bj

Cαmilα ♥ disse...

Chamaria de
POEMA BRILHANTE.

Sonhos e realidade as vezes se misturam...

Um beijO!
;*

Fragmentos Intemporais disse...

Calma...
Abre a janela...
Deixa-te iluminar pela cor deste sol fantástico...

escarlate.due disse...

pois... deste não gosto... falta-lhe brilho...
sorry

Anja Rakas disse...

Amou-a por vezes conta que doia ao contar...e mesmo assim..continuou até ao infinito.

Bjao

Anónimo disse...

“...um final esperado, a ausência de alma”.

Sim, o final tinha que chegar
e chegou. Já se percebia.

Tudo tem um inicio e um fim, porque nada é eterno!

Esvaziou, afundou, sem alma...!